Site facilita, através de viajantes,
compras no exterior para pessoas físicas

No Brasil, tende-se a reclamar de taxas pagas por produtos que se encomenda de fora do país. A frase “talvez valha mais a pena pegar um avião e comprar lá” é proferida com certa frequência por quem se interessa por produtos que não são encontrados por aqui. É sobretudo  para atender a essas pessoas que existe o grabr.io Simples e intuitivo, o site conecta pessoas interessadas em produtos a viajantes que estejam no local onde a mercadoria possa ser adquirida. Basta baixar o app (ou usar via desktop), publicar seu pedido, esperar e escolher a melhor ofertas. O site usa sistemas de pagamento seguros (Visa, MasterCard, PayPal, Discover, American Express e Stripe). A cobrança é feita depois que o produto estiver na mão do comprador. Para o lado do viajante, é uma maneira de ganhar dinheiro enquanto conhece o mundo – as taxas são estabelecidas pela pessoa que trouxer o produto. No site, é possível ver uma lista das últimas transações realizadas com os valores recebidos como frete pelo traveller, além de uma lista das cidades que mais realizaram pedidos.

Lei brasileira não se aplica
à herança de imóvel do exterior

A  3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça negou abertura de ação que pedia o pagamento do valor de uma propriedade, localizada na Alemanha, deixada em herança e entregue a apenas um familiar, porque entendeu que legislação brasileira não se aplica à herança de imóvel fora do país.  O pedido foi negado em primeira e segunda instâncias pela Justiça de São Paulo. Os ministros decidiram que a existência do imóvel situado na Alemanha bem como a realização de testamento neste país são circunstâncias prevalentes para definir a norma do local onde o bem se encontra (lex rei sitae) como a regente da sucessão relativa a este bem. Afasta-se, assim, a lei brasileira, de domicílio da autora da herança, e o herdeiro do imóvel será apenas quem a lei alemã disser que é. Clique aqui e leia a íntegra do texto no site Consultor Jurídico.

Empresas com negócios no Brasil e exterior
têm vagas, mas não encontram profissionais

Estudo da Fundação Dom Cabral (FDC) revela a falta de profissionais qualificados em diversos setores e áreas de atuação; quase 49% das empresas, mais de 36% com negócio no Brasil e no exterior, relatam possuir vagas não preenchidas por falta de trabalhadores aptos às funções disponíveis. A pesquisa, coordenada pelos professores Paulo Resende, Paulo Renato de Sousa, Paula Oliveira e Simone Nunes, do Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura da FDC, teve participação de mais de 200 empresas brasileiras, das quais a maioria concentradas na região Sudeste, onde 45% delas mantém suas matrizes.  

WIX